O que é a coleção dos 7 irmãos


Resolvemos elaborar este documento para que os adultos (os jovens já sabem!) entendam o que é esta saga que abrange leitores do 3º ao 7º ano.
www.7irmaoslivros.blogspot.com 

O que é então a coleção 7 irmãos?
  • Cada livro é único, pois tem uma estrutura que foi especialmente concebida para ele e que não se repete nos outros livros;
  • Foi nossa preocupação, ao construir cada livro sobre um dos 7 irmãos (personagem principal), poder tratar do crescimento, da adolescência e suas condicionantes, da forma como se encara a vida de uma perspetiva diferente, pois cada um dos irmãos é uma pessoa diferente. Disto resulta que o olhar sobre a autoridade, as dificuldades, o amor, a lealdade, a entreajuda, a consciência do papel na sociedade é sempre diferente a cada livro, pois estaremos a ver tudo isto pelos olhos de um deles;
  • personalidade de cada um dos irmãos é também única, resultando em atitudes distintas, desde os mais responsáveis aos asneirentos, dos cultos aos mais superficiais, dos medrosos aos aventureiros, dos talentosos aos medianos;
  • Foi igualmente nossa preocupação recuperar algo que está em falta nos dias de hoje: os valores.Nenhum dos livros é moralista, pois o efeito seria contrário às nossas intenções, mas leva, isso sim, a uma reflexão sobre aquilo que é importante na vida, trazendo a consciência destes valores para as histórias e os pensamentos;
  • Cada livro está impregnado de emoções. Algumas fortes, outras apenas como se fossem inquietações, não esquecendo as emoções destrutivas e as construtivas, para que se possa aprender, ao ler estes livros, a gerir melhor o papel que as emoções têm na vida e no crescimento;
  • Por outro lado, incluímos propositadamente a questão da cidadania e do papel de cada um para melhorar o mundo. Assim sendo, existem formas de ajudar os outros, criar bons exemplos que levem a boas iniciativas, sobre direitos e deveres do indivíduo enquanto cidadão. O respeito pela diferença e a responsabilidade de cada um, bem como a solidariedade são dos principais pontos que se repetem ao longo da coleção;
  • Por outro lado, não fugimos de falar de temas sempre atuais, que raramente aparecem na literatura para crianças e jovens, como a crise económica, as relações em perigo, a violência doméstica e escolar, a adoção, a sexualidade (incluindo a homossexualidade), anorexia e obesidade, fobias, alcoolismo e droga, desonestidade e traição, morte;
  • Juntando a tudo isto, não abdicamos de trazer dois ingredientes que são fundamentais para os jovens leitores: o humor e os diálogos. Temos consciência de que isto leva a uma leitura empenhada e sorridente, ao mesmo tempo que se aprofundam os conceitos e valores que estão sempre presentes;
  • Talvez o melhor cartão-de-visita da coleção seja partilhar convosco a frase que é mais vezes repetida no blog e no facebook dos 7 irmãos“parece que escrevem a minha vida nos vossos livros”. Não há melhor forma de descrever o impacto dos livros nos leitores.

Juntamos, para informação mais detalhada, os temas de cada livro:

1 – Maria, Os segredos da irmã mais velha
A autoridade dos pais – razões de parte a parte, conflito e aceitação mútua – sair à noite
Anorexia
Autoimagem, autoestima
Separação numa família amiga
Primeiro amor 

2 – Miguel nunca desiste
Escolher uma via ao entrar no secundário
O desporto
Asneiras graves, que põem em risco a segurança de outras pessoas
A diferença – namorada, que é gaga, o maior amigo, tem um braço muito curto – como ajudar sem estigmatizar

3 – Mónica, a Maria-rapaz
Amor não correspondido
Apaixonar-se pelo grande amigo
Ciúmes e disputas entre amigas, falsidade
Fobias e como lidar com elas
Beber de mais – a amiga aparece embriagada na escola

4 – Maria atravessa o Atlântico
Fazer o 12º ano nos Estados Unidos
Confundir afeto com paixão (um professor)
Adaptar-se a outras formas de viver
Como gerir o namorado depois do entusiasmo pelo professor

5 – Mariana e Manuel, gémeos em sarilhos
As diferenças de comportamento e suas consequências
As asneiras e os castigos
Um negócio desastroso – um roubo por uma boa causa
Namoros cruzados

6 – Miguel contra-ataca
Lidar com a falha – responsabilidades antes de “amuos” e fugas
Uma onda de solidariedade para arranjar sangue para um amigo que está em perigo de vida
Copiar, mentir – consequências
O João e o pai – dois que trazem ao Miguel as soluções, mesmo sendo difíceis

7 – Mónica, uma montanha de emoções
Traição do namorado – ser incapaz de perdoar
Novamente as fobias
Receber um estudante alemão em casa – a questão da adoção
Morte violenta do animal de estimação
Plano de poupanças familiar
Padrastos e os filhos deles

8 – Mariana e Manuel numa curva do caminho
Homossexualidade
Uma colega de outro país
Prendas de Natal feitas pelos próprios
Autoridade novamente questionada – quem gosta de nós às vezes tem de nos castigar
Biblioteca itinerante
O desemprego, ajudar a sociedade

9 – Margarida muda de escola
Choque na mudança de escola
Violência doméstica – ações a tomar
Uma amizade abalada
Obesidade

10 – Família Machado, uma equipa fantástica
A crise na família (financeira e emocional)
Homossexualidade
A morte do pai de um amigo
Saber ajudar, saber respeitar

11 – E agora, Rafa?
Ajudar o Rafa – luto e reconstrução da vida
Solidariedade entre famílias
Liberdade e autoridade – onde começa e acaba cada uma?
Elogio da leitura – um programa de rádio

12 – Sozinhos em casa
Assegurar o dia-a-dia de uma casa sem adultos
Responsabilidade
Resolver momentos de crise
Tratar de irmãos mais novos
  

Bibliografia actualizada...

Depois de muitas horas, está tudo feito...
Actualizei a bibliografia - todos os livros, com sinopses, editora, ano de edição e ilustradores.
Já se pode consultar AQUI

Só uma lembrancinha (conto de Natal)

Em 1997, estava eu, o Luís Oliveira Martins, a Paula Santos, a Cláudia Novais e o Paulo Hasse Paixão no curso da Aula do Risco no curso de escrita criativa, resolvemos fazer, cada um de nós, uma história de Natal para o Miguel Viterbo, nosso professor no primeiro semestre (no segundo viria João Louro). Com saudades desses tempos, deixo aqui a minha...

A madrinha há-de desculpar, que é coisa pouca, só uma lembracinha lá da terra. Ora, não é nada muita fruta, olha só o disparate, madrinha, é para os meninos, que eu bem sei que eles gostam, já estão crescidos, os meus meninos. Lá na terra toda a gente os conhece, que eu tenho tanto orgulho nos meus meninos. Conto tantas histórias dos meus meninos, madrinha, meu Deus, que até aquele gente se enche toda de inveja. Pois, eu sei que já estão uns homens, mas o que é que a madrinha quer?, fui eu que os criei, quer-se dizer, foi a madrinha, mas eu estava cá o resto do dia, sempre a tratar dos meus meninos, tão malandros mas tão lindos. Já vai para três anos que não os vejo, mas há-de ser qualquer dia. A madrinha desculpe a lembrancinha, ora muito nada!, é uma frutinha para as festas, que eu sei que a madrinha tem cá sempre tanta gente em casa. Ainda m’alembra os copos de cristal a brilhar nas minhas mãos, e eu com medo de os partir, que noites de Natal como as de cá nunca vi, com tanta gente, tanta fartança, tanta prenda. E os meninos também vêm cá? Ah, agora tem que ser um ano em cada lado, já se sabe, pois é, a família vai crescendo, mas boa gente, não é?, a madrinha acha que casaram bem? Ai, Deus queira, os meus meninos. É uma pena ainda não terem netinhos, a madrinha e o senhor doutor haviam de gostar, mas é, pois, têm tempo. Já não há Marias para tomar conta, isso é verdade, não estivesse eu tão entrevada deste braço e ia eu lá para casa para tomar conta dos bebés, havia a madrinha de ver como eu ainda me ajeito. Isto do braço?, eu não contei à madrinha? Pois foi no Natal do outro ano, a madrinha alembra-se que eu vim cá com o meu Alcides e vamos a voltar para casa e toca o carro de se ficar na subida da serra, a madrinha está a ver aquela subida, onde até há uma casa de desavergonhadas ali perto da estrada, a madrinha não reparou, pois, gente de bem não repara nestas coisas, mas estão lá que é uma pouca-vergonha, mas ia eu a contar que se nos ficou o carro na subida e nada de pegar, o Alcides todo arreliado e eu que tenho medo que se lhe arrebente o coração, que o doutor disse que ele não se podia enervar, e nada de andar, o raio do carro já não se mexeu mais e nós tivemos de ir às desavergonhadas pedir para telefonar e elas ainda se meteram com o Alcides, a fazerem-lhe festas nas costas para o acalmar. O Alcides disse-me para eu ir para o carro esperar pelo meu cunhado, o que é mecânico, a madrinha alembra-se, que ele nos havia de vir desenrascar e eu já a ver os olhos do Alcides a fugir para os decotes e a pensar que ainda era pior, que se lhe arrebentava ali mesmo o coração, e quem foi para o carro foi ele, que eu não podia com o frio, que quando me dá na espinha fico tolhidinha de todo. E não é que começa aquele nevão, que a madrinha sabe que lá na serra aquilo é nevar até fartar, e o meu Alcides volta para casa das desavergonhadas e diz que não pode ficar ali fora, e eu a ver os olhos delas a cobiçá-lo, que aquela gente já nem é pelo dinheiro, é pelo vício de andar sempre naquilo, e o Alcides a ligar para o meu cunhado e a ligação a cair e eu a pensar que ainda ali ficávamos, e o tempo a passar e elas de roda de nós com aquelas roupas que não tapam o que devem e o Alcides com calores. Ai, madrinha, aquilo ainda era pior que o Natal lá da terra, com a minha cunhada aos gritos, muito grita aquela mulher, os catraios todos aos pinotes, aquelas comidas todas mais os sonhos da tia Almerinda, que o senhor doutor uma vez até lhes chamou pesadelos, de tão rijos que lhe saem, a madrinha alembra-se, não?, foi quando lá forma há já muito ano. Mas ele é discussões que começam sempre sem ligar ao Natal, que os irmãos do Alcides, sobretudo o Eleutério, são bocarras abertas para despachar parvoíces, ele é as minha cunhadas que ajudam sempre à confusão, que a única com quem me dou é a irmã do Alcides, aquela que a madrinha conheceu no outro ano, aquela que veio ao senhor doutor para se tratar de umas enxaquecas, mas essa é a única com quem falo assim a modos que bem, que os outros é só por dizer que se passa o Natal em família, porque s’atura. Este meu cunhado mecânico é o marido dessa minha cunhada que eu estava a falar e até é boa gente, os miúdos são pacatos e andam sempre asseados, não é como os outro que parecem uns maltrapilhos. E se aquela gente tem dinheiro, que é só estátuas a cuspir água nos lagos dos jardins e telhados pretos só para mostrar que são diferentes, que ali na terra só eles é que têm, que a madrinha havia de ver como são gente de pouca importância. Madrinha? O braço? Pois eu ia a contar à madrinha que o nevão caiu com força e tapou tudo e ouvimos pela rádio das desavergonhadas que os acessos à serra estavam todos cortados e eu percebi logo que a noite de Natal ia ser mesmo ali, com aquelas, e o meu Alcides a achar graça àquele arraial todo e elas a prepararem a ceia sempre meio despidas, que até se lhes via a combinação pelo decote, muito divertidas de terem mais alguém com elas, que eu até tive pena que não tivessem família, porque aquela gente há-de ter a porta de casa fechada, a madrinha não acha? E até acabei por dar uma ajuda, já que tinha de ser, que elas iam-me a cozer o bacalhau com as couves e as batatas tudo junto, vê-se bem que não sabem nada destas coisas, e ainda fiz uns sonhos e umas rabanadas com elas a darem-me beijos na cara e chamarem-me querida e fofa, e eu de olho no Alcides, não fosse levarem-no a provar outras coisas, que ele estava tão aparvalhado que até ia sem perceber, que ele é honesto, nem percebe bem estas coisas e eu tinha que o resguardar. Madrinha? O braço, pois, o braço foi no dia seguinte, que acabámos por lá dormir, que nos emprestaram umas roupas, a madrinha havia de ver o Alcides a dormir com um pijama delas, e eu, claro, também, mas não preguei olho, não fosse o Alcides sair sonâmbulo do quarto, que ele nunca foi mas naquela noite levantou-se tantas vezes que me deu uma trabalheira. Mas ia eu a dizer que no dia 25 já diziam na rádio que se podia circular e telefonámos outra vez para o meu cunhado, que estava muito mal disposto porque o Natal sem nós tinha sido bem pior que os outros, já se vê, sem nós que somos os únicos com quem eles se dão melhor, e ele disse que lá vinha, e foi então que íamos a tirar a neve à pazada, com as meninas a ajudar, que eu escorreguei e parti um braço, no dia de Natal, veja a madrinha, eu que nunca parti nada e fui logo partir no dia de Natal, e elas de roda de mim que não podia com as dores. Foi eu a partir o braço e o meu cunhado a chegar e a levar-me ao hospital sem tratar do carro, que o Alcides não queria deixar ali o carro que o roubavam, roubam como, homem, pois se ele não anda, e lá ficou dentro do carro a tomar conta e eu com o meu cunhada a ir pôr uma pala de gesso, tala?, pois, e a voltar a meio da tarde, tinha o Alcides ido lá dentro, à casa das desavergonhadas, telefonar para saber de mim, para onde é que eu não sei, e eu cheiinha de dores que nunca mais fiquei boa, ainda me custa muito pegar em pesos, e o Alcides a dizer que tinha sido o melhor Natal da vida dele, e eu magoada do braço e com ele. A madrinha havia de ver as meninas a dizerem-nos adeus da porta, todas meias despidas que nem o frio as faz tapar, e lá voltámos para a terra, mas escapámos ao Natal, que não é como o da madrinha, com os cristais e aquela alegria toda. Gostava de ver outra vez os meninos, ai isso gostava, pois, talvez doutra vez, mas fosse isto do braço, quem tratava dos netinhos da madrinha era eu, que ainda me ajeito, madrinha, ainda sei tratar de meninos como dantes. Não fale mais da fruta, madrinha, que é só uma lembracinha lá da terra, é coisa pouca.
Publicado em Jogging para Escribas, Fenda, 1998

Uma Questão de Azul-Escuro e o Colégio Pedro Arrupe

Estive hoje no Colégio Pedro Arrupe - com professores extraordinários, com meninos que me encherem de esperança... Foi desta escola, da prof Margarida Diogo, que li este mail, imaginem como me sinto:

"A minha manhã...
Passavam apenas alguns minutos das oito da manhã quando me chegou às mãos o livro, o tal livro que tinha ficado na memória. Coloquei-o entre os manuais e a agenda e desci os três la
nços de escadas. Ensonada e com os níveis de energia em baixo, aproximei-me da sala e dos sonolentos alunos que me receberam com um sorriso e um “Bom dia” reparador. Enquanto abriam a lição, peguei no livro e comuniquei a visita de Margarida Fonseca Santos ao colégio e, desta vez, para falar, em especial, sobre um livro que já tinha sido mencionado no encontro anterior. Neste momento, os olhos estavam postos no retângulo de folhas que tinha entre as mãos. “O livro sobre o bullying”, disse uma voz lá ao fundo. Respondi, apenas, com o título do livro e o entusiasmo apoderou-se de todos: “Uma questão de azul-escuro”. Disse-lhes que tinha acabado de receber e que, por isso, ainda não tinha lido. Imediatamente surgiu uma proposta: ler-lhes o livro. Não consegui resistir ao brilho dos olhos e, depois de negociarmos os trabalhos previamente planeados para o dia, disse que sim… e os olhos, minutos antes ainda semicerrados, abriram-se e uma nuvem de encanto instalou-se na sala. Coincidência ou não, ninguém acendeu a luz e a sala estava com uma luminosidade de início de manhã de outono. Abri a primeira página e mergulhámos no azul-escuro… onda a onda, descobrimos um livro de uma sensibilidade extrema e de assuntos extremamente delicados, até chegarmos à onda amarela! Que viagem… O silêncio imperou e apenas a minha voz captava a atenção de todos. Terminei a leitura e o silêncio permaneceu. Ninguém conseguiu falar durante alguns minutos. Todos precisávamos de uns instantes para refletir sobre aquela história que entrara de rompante nas nossas vidas. Comentários começaram a ser ouvidos, numa cadência suave. Colocámos o azul-escuro como fundo do quadro e, um a um, cada aluno foi escrever uma palavra no quadro relacionada com o livro… a amarelo!
Estes momentos tão simples e, ao mesmo tempo, tão profundos, são de uma riqueza extrema e uma oportunidade para mudar vidas e escolher caminhos.
Agradeço profundamente esta oportunidade.
Parabéns!
Margarida Diogo"

Novo concerto - O Segredo da Floresta


O Segredo da Floresta

O novo concerto do CantaStórias será no sábado dia 8 de Dezembro

2 espectáculos: 10h30 e 11h45

Para crianças a partir dos 2 anos - Canções, histórias, música ao vivo... uma experiência especial!
Texto, letras e música meus; orquestrações e direcção musical Francisco Cardoso


Cine Theatro Gymnásio - Chiado
(bilhetes no teatro, ticketline e CTT)
ouvir aqui

As canções!

Vamos a uma boa notícia!!!

As canções da Falha de Cálculo já estão disponíveis - podem ouvi-las aqui!

As ilustrações são da Inês do Carmo.
As vozes são dos actores que fizeram a peça, a primeira versão - Adriano Filipe, Catarina Gonçalves e Celina Rebelo (encenada por Bruno Schiappa , Teatro da Trindade) - os meus queridos parceiros da matemática!

Bibliografia

Livros de canções

"Histórias de cantar", com ilustrações de Carla Nazareth e orquestrações de Francisco Cardoso (Juventude Musical Portuguesa) em 2005
Este livro é o resultado do meu trabalho com crianças na área da Iniciação Musical. Todas as canções foram escritas/compostas para um grupo de criançasem especial. Depois... depois aconteceu uma coisa espectacular. Surgiu a hipótese de fazer o CD com a Juventude Musical Portuguesa. O Francisco Cardoso tomou conta dos arranjos e das gravações, fazendo um trabalho magnífico. A Carla Nazareth, com a doçura que a caracteriza, transformou-as em ilustrações absolutamente lindas.
O resultado é este livro/CD, que inclui no final um dossier pedagógico acerca do ensino de canções e o relato de várias experiências em que as artes se cruzam, experiências que pretendem apenas servir de inspiração para quem anda nesta cruzada do ensino da música, do teatro, das artes plásticas, da dança…

"O Segredo da Floresta" , com ilustrações de Carla Nazareth e orquestrações de Francisco Cardoso (Genius y Meios) em 2011 PNL 
O Segredo da Floresta conta o que os animais, todos juntos, descobriram.
"Chega um recado e diz que vão receber uma prenda. Os animais ficam à espera, pensando no que poderá ser. As horas passam e nada acontece. Para se entreterem, começam a contar histórias uns aos outros. Entre risos e gargalhadas, recebem a melhor prenda do mundo, a amizade."

"Voar? Vamos a isto!" , com ilustrações de Carla Nazareth e orquestrações de Francisco Cardoso (Genius y Meios para a TAP) em 2014 PNL 
Será que só podemos voar em aviões? E se vos dissesse que também voamos na imaginação…?


Publicações na área infantil

 “O pirilampo sem luz” com ilustrações de João Lucas (1995 Editora Vega) 
Este é um conjunto de cinco histórias onde podemos acompanhar o drama de um pirilampo que fica sem luz, a castanhinha que resolve viajar, o trabalho árduo de uma aprendiz de bruxa, o concurso de saltos dos gafanhotos e até uma fada que perde a sua varinha. esgotado

 “O afia-lápis preguiçoso” com ilustrações de João Lucas (1997 Editora Vega) 
Alguém sabe como se resolve o problema de um afia-lápis que não quer trabalhar mais? E se um barco enjoar?! Pior ainda: e se alguém perder os sonhos? Mas há mais – aprendes a acordar uma fada, pode dar sempre jeito, e ficarás a conhecer a bruxinha que vive no jardim zoológico! esgotado

 “Histórias de papel e lápis” com ilustrações de Abraão Tavares (2000Editora Vega) 
Este é um conjunto de quatro histórias em que as principais personagens são as coisas que temos nas nossas mesas de trabalho. Assistes a uma chuva de acentos, vês cair uma palavra de um livro, conheces a história de Natal de uma folha e ainda podes representar uma pequena peça de teatro.
 
 “Um nome, um sentido” conto inserido na colectânea intitulada “Contos de um Mundo com Esperança”, uma iniciativa da Amnistia Internacional nas Comemorações dos Direitos da Criança (2004 Texto Editora) PNL 
Uma colectânea de contos sobre dos direitos das crianças, vários autores

 “Coisas pequenas” com ilustrações de Richard Câmara (2004 Editora Vega) 
Conjunto de quatro histórias que falam… de coisas muito pequenas! Porque o mundo e os afectos são feitos de coisas pequenas. Uma medalha minúscula, o ralo de um lava-loiças, gafanhotos pequenos que viajam numa caixa mágica e ainda ficas a saber que existem serpentinhas!!!

 “Uma prenda muito especial” ilustrações de Manuela Bacelar (2004Editorial Presença) PNL
Os animais da floresta estão admirados: foi-lhes dito que esta noite vão receber uma prenda - uma prenda de Natal. Na expectativa, decidem ficar todos acordados, mas... onde está a prenda, que nunca mais aparece?


"Rafaela” com ilustrações de Inês do Carmo (2007 Editorial Presença)PNL
A Rafaela sempre gostou de inventar histórias e falar com amigos invisíveis... Mas aquela manhã ia pô-la à prova! Seria capaz de resolver uma emergência com imaginação?
Ah, mas a imaginação é muito poderosa, e a Rafaela sabe usá-la da melhor forma, mesmo se aparecer um monstro na sala de aula!


 “Chamo-me Frik e já tenho dono”, com ilustrações de Carla Nazareth (2005 Editorial Presença) PNL 
Assim começa esta história...
O Frik é levado para o seio de uma família. Dão um nome, uma cama, muito mimo…
Será que tudo corre bem?
Bom... nem sempre... Descubram o que aconteceu!

“O Primeiro Natal do Frik”, com ilustrações de Carla Nazareth (2005Editorial Presença) PNL 
Quem é que disse que o Natal é uma ocasião especial?
O Frik, claro!
A verdade é que ele nem sempre percebe o que lhe acontece, coitadinho.
Só uma curiosidade - a ilustração da capa, que corresponde a outra que está dentro do livro, foi feita a partir da fotografia do Frik verdadeiro... A Carla Nazareth pegou na fotografia e guardou o nosso cão, para sempre, nas páginas deste livro!

 “A festa da passagem de Ano” (Frik), com ilustrações de Carla Nazareth (2006 Editorial Presença) PNL 
Festa?! Chamam a isto uma festa?!
O Frik não tem bem essa ideia... Nunca depois de apanhar com uma rolha na cabeça!!!
Acontecem coisas muito estranhas nessa noite…

 “Um dia na praia” (Frik), com ilustrações de Carla Nazareth (2006 Editorial Presença) PNL 
O Frik é levado a conhecer a praia... Que coisa estranha! Aquela água que não pára... A areia que se agarra às patas... Toda a gente com pouca roupa... Será que ele vai gostar?

Conto “A visita misteriosa” na colectânea As Histórias do Bicas, para a Federação Portuguesa de Desporto para Deficientes 2006  PNL 
Colectânea de contos, vários autores


 “Era uma vez um sonho”, com ilustrações de Gabriela Semedo por ocasião das comemorações do aniversário da Biblioteca Manuel da Fonseca (2007 
Edição da Câmara Municipal do Cacém) 
Da ideia à forma de uma história, do texto à biblioteca, do desenho ao livro vamos assistindo ao crescimento de uma nova história!

 “Rafaela”, com ilustrações de Inês do Carmo (2007 Editorial Presença)PNL 
A Rafaela sempre gostou de inventar histórias e falar com amigos invisíveis... Mas aquela manhã ia pô-la à prova! Seria capaz de resolver uma emergência com imaginação?
Ah, mas a imaginação é muito poderosa, e a Rafaela sabe usá-la da melhor forma, mesmo se aparecer um monstro na sala de aula!
 
 
 “O Escaravelho”, com ilustrações de Carla Nazareth (2009 Ogilvy – Ajuda de Berço)
Por vezes, um escaravelho de passos tontos faz toda a diferença… E podes aprender que, também tu, podes fazer com que a vida de outros seja diferente!!!

 “Uma cegonha em apuros”, com ilustrações de Carla Nazareth (2009Gailivro) 
Tudo muda na vida de João quando, certo dia, uma cegonha fala com ele!
Simbolizando todas as espécies protegidas e em risco de extinção, " Uma cegonha em apuros" é a história de uma cegonha que, à semelhança de outras, vê  a sua vida ameaçada de uma forma dramática. Num momento de desespero resolve comunicar com os humanos  para pedir ajuda, escolhendo um rapaz para ser o seu ouvinte... e escolhe bem! O problema é resolvido com muito carinho e alguma imaginação...  Este livro apela à protecção da Natureza, das espécies, e apela à nossa capacidade de conseguir ouvir o mundo e os outros.


 “Chamem-lhes nomes!”, na Colecção Gramofone, com ilustrações de Afonso Cruz (2009 Texto Editora) PNL
Quem disse que brincar com a gramática não é possível? Ora aqui está um livro que fala dos nomes (substantivos) de uma forma divertida e desconcertante.


 "O domínio do dominó e outras histórias", na Colecção Gramofone, com ilustrações de Afonso Cruz (2010 Texto Editora) PNL
As oito histórias deste álbum passam-se em cenários diferentes e têm variadíssimas personagens. Para lá do prazer que proporciona a sua leitura, poderás a partir dela ensaiar um teatro, imaginar uma sequela ou alterar o desfecho. Poderás também tentar descobrir e identificar os determinantes e pronomes que estão espalhados pelo texto.


 "Desarrumar", na Colecção Brincar com..., ilustrações de Inês do Carmo (2010Gailivro) PNL
Quem disse que a Matemática não é divertida?
“O ensino, talvez em especial o da matemática, não pode ser deixado exclusivamente à escola. Pais professores, jornalistas, políticos podem e devem colaborar. A ficção tem o seu papel. E pode ser muito importante. Quando se fala de números e de contas de forma divertida, os jovens aprendem um pouco, mas mudam muito. Verificam que se pode ter o prazer em conhecer, que os números são importantes, tão importantes que há quem escreva livros com eles.” Do prefácio do Prof. Nuno Crato, Presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática.

"Falha de Cálculo", na Colecção Brincar com..., Com ilustrações de Inês do Carmo (2010 Gailivro) PNL
A Matemática pode ser divertida!!! A sério. Não estou a brincar. Mesmo a sério. Ora, não acreditas? É verdade. Se mesmo assim não te convenço, vem ver com os teus próprios olhos, aqui dentro. Esta história, escrita de uma forma coloquial, procura incentivar os pequenos leitores a descobrir, de uma maneira divertida as várias formas de fazer cálculo. Mas as coisas complicam-se quando o Cálculo Mental tropeça numa tábua que lhe bate na cabeça, deixando-o sem memória, isto é, sem capacidade para fazer cálculos…
Inclui prefácio do Prof. Nuno Crato, Presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática.


Escreveu um caderno de actividades no livro “As melhores canções para crescer”, dos Xutos e Pontapés, com ilustrações de Miguel Gabriel (2010Oficina do Livro)  

 "Conversa de elefantes", com ilustrações de Richard Câmara (2011Everest)
Esta é uma conversa de elefantes... Esta é uma conversa entre mim e o Richard Câmara... Esta é uma conversa séria e divertida...
Quer conhecer melhor o livro?
Podemos dizer-lhe que este livro começou ao contrário, pois o Richard entregou-me imagens que eu deveria ordenar para contar uma história - assim fiz.
Depois, o Richard refez as ilustrações e chegámos a este produto final... do qual gostamos muito!
Venha daí, conversar com elefantes!


"Os Baltazar", Livro Natal Sonae, com ilustrações de Miguel Gabriel (2013 Nós na Linha)
Duas vidas, dois percursos, entrançados numa vida comum. Sim, esta história será como uma trança, onde o passado e o presente se juntam aos filhos, netos, bisnetos, que por sua vez se juntam de novo às recordações do que era viver noutros tempos. Dois olhares sobre uma mesma vida.
Aceitem o desafio e vejam como, embora de mãos dadas, estas duas pessoas caminharam na vida em registos diferentes – um mais brincalhão e activo, cheio de sonhos e forças (nem sempre bem dirigidas); ela mais discreta e atenta, às vezes inquieta, outras vezes resolvendo problemas sem ninguém dar por isso.
Encontrar-se-ão num dia de Natal, rodeados de família e histórias, mas isso apenas irá mostrar como o primeiro encontro os entrançou numa vida que os trouxe até aí.

Tinóquio (2013, Zero a Oito, Coleçcão Histórias Nada Tradicionais, ilustrações de Célia Fernandes.)
Branca e os Sete Pirilampos (2013, Zero a Oito, Coleçcão Histórias Nada Tradicionais, ilustrações de Célia Fernandes.)

Publicações para jovens dos 8 aos 12 anos

Convidada pela Maria João Lopo de Carvalho para integrar o livro Salpicos 4 (Lidel) enviei parte do livro "O Boião Mágico" e escrevi uma canção - letra e a música. O Carlos Garcia fez o arranjo, tocou e cantou, a Carolina Gaspar também cantou e a Mónica Catalá ilustrou. Ouvir a canção aqui.


“Há dia assim...” com ilustrações de Carla Nazareth (2002 Garrido Editores) 
Uma história verdadeira, reinventada… Uma história que pode ser a história de muitos passarinhos. Uma história onde se lida com uma das certezas da vida: a morte…
Este livro foi seleccionado para as Olimpíadas da Leitura.

“O boião mágico”, Colecção Terra Verde, com ilustrações de Paulo Monteiro, (2009 Editorial Verbo)
Fala de separar lixo para reciclar, mas não é só desse lixo que vocês estão a pensar. Há outro "lixo" que devemos tratar de forma especial: as preocupações, a tristeza... E mais – podemos até guardar coisas boas para, nos dias mais complicados, podermos ter mais forças!
Estão curiosos? Então leiam esta história, procurem um boião vazio e comecem a utilizar esta magia!

“O nó dos livros”, com ilustrações de Gabriela Sotto Mayor (2009Trinta por uma linha)
"Quantos nós conheces? O nó da gravata, os nós dos dedos, os nós dos marinheiros, o nó na garganta... Mas são muitos, mesmo muitos! Queres aprender o que é o nó dos livros? Então lê esta história!"

“7x25 – Histórias da liberdade”, com ilustrações de Inês do Carmo (2008Gailivro) PNL 
7x25 História da Liberdade é um conjunto de contos cujas personagens principais, falando na primeira pessoa, são objectos carregados de simbologia: o semáforo que travou a revolução durante uns minutos, o lápis da censura que, de repente, se vê como um elemento criativo nas mão de uma criança, a G3, o portão da prisão de Caxias, o megafone…

"7x1910 - Histórias da República", ilustrações de Inês do Carmo (2010Gailivro) PNL
7x 1910 Histórias da República é um conjunto de sete histórias cujas personagens principais, falando na primeira pessoa, são objectos carregados de simbologia: o Mapa Cor-de-Rosa é acusado de estar na origem do célebre Ultimatum de 1890; a Bala que estava dentro da pistola do Almirante Cândido dos Reis; a Bandeira de um diplomata alemão; a Coroa Real que percebe que nunca mais a vão usar; o Navio de Guerra que quando disparou sobre o Terreiro do paço; o Iate Real D. Amélia que levaria o rei deposto até Gibraltar; e a Varanda de onde José Relvas proclamou a República no dia 5 de Outubro de 1910. A não perder!

"7x11 - Histórias do futebol", com ilustrações de Inês do Carmo (2011Gailivro) PNL
A Federação Portuguesa de Futebol faz 85 anos... resolvemos prestar-lhe uma homenagem.
Estas são 7 histórias onde encontramos a selecção portuguesa de futebol em jogos que marcaram a sua história. Venham conhecer algumas particularidades de jogos importantes!
O jornalista Rui Tovar teve a paciência e o carinho de me ajudar a escolher os jogos, contar-me o que neles foi peculiar e reviu toda a informação. E escreveu aquilo a que chamo a cereja no topo do bolo - o prefácio!

"Memória de elefante" , na colecção Fábulas a 3 mãos – em co-autoria com Rita Vilela e Maria Teresa Maia Gonzalez e ilustrações de Cristina Malaquias (2011 Babel)
Se pensas que é grave para um elefante perder a memória, enganaste...
E se nunca apanhaste boleia de um golfinho, é agora que o  podes fazer.
Apostamos que não conheces joaninhas sem pintas!
Um cão sem faro é um caso bicudo? Não, ora essa...
Ter pena, ou ter penas de um pavão: eis a questão!
E, já agora, convidamos-te a conhecer a maior baleia do mundo!
Os direitos deste livro revertem na totalidade para a ACREDITAR, a associação de pais das crianças com cancro.

“O tubarão vegetariano", na colecção Fábulas a 3 mãos – com co-autoria com Rita Vilela e Maria Teresa Maia Gonzalez e ilustrações de Cristina Malaquias (2011 Babel)
Se achas que um cavalo que não corre não serve para nada, enganaste...
E se nunca te esforçaste muito para conseguir algo, é agora que o podes fazer.
Apostamos que não conheces canários com voz de cana rachada!
Um tubarão obeso é um caso bicudo? Não, ora essa...
Ser ou não ser uma abelha aselha: eis a questão!
E, já agora, convidamos-te a conhecer o caracol que aprendeu a não desistir!

"Uma questão de azul-escuro", com ilustrações de Sandra Serra (2011Gailivro)
Luís insiste em não tirar o fato de treino, que se adequaria aos dias de inverno que já foram embora. A professora, ao chamá-lo de parte para o ajudar a despir a camisola, descobre um mundo de sofrimento tapado pelas mangas e calças compridas - um sofrimento azul-escuro, feito de nódoas negras, uma paralisia assustada e muitos segredos.
Aprender a lidar com a violência e conhecer as ajudas possíveis será o próximo passo. E este será dado por toda a turma.

“O Peixe Azul” (2004 Editorial Presença) PNL 
Neste livro somos transportados até S. Pedro de Moel, onde o jovem Daniel costuma passar as ferias de Verão. Este ano, além de reencontrar os amigos dos anos anteriores conhece um amigo novo que vem do mundo dos sonhos e tem a forma de um belíssimo peixe azul. Mas este peixe é apenas o início de uma espantosa série de peripécias que irão suceder.

“Um pombo chamado Colombo”, em co-autoria com Maria Teresa Maia Gonzalez, com ilustrações de Inês do Carmo (2007 Editorial Presença) PNL
Vida de pombo não anda nada fácil, especialmente quando se é um pombo-correio na era das novas tecnologias… Após uma vida inteira ao serviço dos monarcas da ilha Malu-Ka, o pombo chamado Colombo tem de enfrentar a realidade de que se encontra, pela primeira vez… desempregado. Começa assim a contar histórias em troca de comida, pois Colombo não é um pombo qualquer, pelo contrário, será talvez de todos os pombos aquele que já viveu mais aventuras. Não acreditas? Então não percas o que ele tem para te contar. Seguir-se-ão muitas histórias fantásticas.

 “Missão quase impossível”, em co-autoria com Maria Teresa Maia Gonzalez, com ilustrações de Inês do Carmo (2007 Editorial Presença) PNL
Na Praça do Pombal do Marquês já todos os pombos ansiavam pelo momento de ouvirem Colombo contar novas e incríveis histórias passadas ao serviço dos monarcas da ilha Malu-Ka. E a verdade é que o pombo que já viveu mais aventuras que qualquer outro não perdeu tempo e neste mais recente livro partilha também contigo episódios extraordinários. Desde a viagem até uma cidade onde não anoitecia, até à demanda pela descoberta da verdade acerca do surf, as façanhas nunca mais acabam. Se quiseres saber tudo, só tens de pegar neste livro e ficar atento aos próximos volumes desta colecção.

 “Prémio Asa de Prata” em co-autoria com Maria Teresa Maia Gonzalez, com ilustrações de Inês do Carmo (2007 Editorial Presença)  PNL
Nas longas tardes de Verão da ilha Malu-ka, os pombos da Praça do Pombal do Marquês prolongam as suas sestas numa tentativa de sobreviverem às horas de maior calor. Mas, recentemente, descobriram uma nova forma de passarem esses momentos de preguiça. Afinal gozam da companhia de um pombo que tem muito que contar, Colombo, o principal pombo-correio ao serviço de sua majestade, agora reformado e com histórias incríveis sobre as muitas aventuras por que passou na sua já longa vida. Fica a conhecer as histórias e segredos mais hilariantes do reino Malu-ka e diverte-te com mais um livro de aventuras de Colombo.

“Ao encontro do Brasil” (2007 Sete Caminhos) – Teatro 
Convido-te a descobrir o Brasil através do teatro. É que, a um desgraçado que estava de férias, foi isso que aconteceu – assistiu ao descobrimento do Brasil 500 anos antes!

“Um quadro falador” (2007 Sete Caminhos) – Teatro 
Um quadro de um artista anónimo… Será? O homem pintado no quadro sabe a resposta, mas ao tentar dizê-la aos dois alunos que procuravam a informação, cai do quadro!!! Não acreditas? Ora lê…

“Conjunto Singular” – Estampa 2012
A vida da Joana está a ser tudo menos fácil… Uma apresentação do Clube de Teatro da Junta transforma-se num suplício porque, com o nervoso, ela se esquece do texto, o que contrasta e muito com a facilidade com que o irmão Henrique toca violoncelo. Resolve desistir do teatro, mas os pais não a deixam. No entanto, a Joana finge durante uns dias que vai aos ensaios e esconde-se na biblioteca da escola. Aí encontra o seu colega repetente, o Carlos – a conversa mostra-lhe como este rapaz é diferente do que pensava antes. Entretanto, os esquecimentos e o pânico aparecem agora também nos testes! A Joana está desesperada. O Henrique e o Carlos querem ensinar-lhe a treinar a mente para o sucesso. Será possível? Descobre… talvez também possas aprender a fazer o mesmo!

Colecção 7 irmãos
1 – “Maria, os segredos da irmã mais velha”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2009 Oficina do Livro) PNL
A Maria tem quinze anos e é a mais velha de seis irmãos. O seu dia-a-dia está cheio de acontecimentos. Da escola ao ballet, passando pela vida familiar e pelos programas com os amigos, a Maria vive intensamente cada momento ao mesmo tempo que vai aprendendo a conhecer-se a si mesma e aos outros.
Se tudo isto já é por si só um grande desafio, a vida torna-se ainda mais complicada quando, a meio do ano lectivo, um novo colega – o João Pedro – se junta à Escola Martim Moniz. Ele é tímido e discreto, mas a sua presença marca a vida da Maria e leva-a a perguntar-se: “Será que me apaixonei mesmo a valer?”
No entanto, esta situação não agrada a todos, principalmente ao Hugo, que fará tudo para os separar.

2 – “Miguel nunca desiste”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2009Oficina do Livro) PNL
O Miguel tem catorze anos e é o segundo de seis irmãos… ou sete, porque a Madalena já vem a caminho. Adora os amigos e é capaz de tudo para os ajudar… ou para com eles se aventurar em episódios menos aceitáveis pelos seus pais, apesar de inofensivos para quem adora fazer partidas!
Aos amigos e à família junta-se outra paixão: o futebol. O Miguel é um autêntico craque e não há jogo em que a família não esteja presente para o apoiar. Mas não são só os pais e os irmãos que andam de olho nas suas jogadas em campo. As mais altas instâncias do futebol profissional não dormem e querem fazer do Miguel o melhor do mundo! Será isto possível? E os estudos? Conseguirá ele conciliá-los com a carreira futebolística? Isto para não falar da possibilidade de deixar a sua cidade e com ela a Rita, a namorada que adora!

3 – “Mónica, a maria-rapaz”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2009 Oficina do Livro) PNL
A Mónica, a terceira irmã da família Machado, é uma desportista nata. A BTT e o futebol, paixão que partilha com o irmão mais velho, o Miguel, são os seus desportos favoritos. Adora animais e até conseguiu que a sua grande família recebesse mais um elemento, o Mister, um cãozinho rafeiro que ela adoptou, e a leva a pensar que a profissão de veterinária poderia ser uma boa escolha.
A Mónica, que é uma Maria-rapaz despachada e bem-disposta, acaba de conhecer o Filipe, com quem partilha os mesmos gostos e que a desconcerta com a sua sinceridade e amizade. Mas ela ainda pensa no Paulo, que um dia lhe dedicou uma música… O coração baralha-se!
Na vida da Mónica, durante o 8º ano, acontecem muitas coisas. As suas grandes amigas, Sofia e Carlota, são muito diferentes e acabam por a fazer vive problemas bem complicados na escola. Mas, como sempre a opção será dela, e a Mónica nem sempre sabe o que escolher e como resolver… É difícil ver bem as situações quando estamos dentro delas, a Mónica não é excepção!

 4 – “Maria atravessa o Atlântico”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2010 Oficina do Livro) PNL
Uma enorme aventura aguarda a irmã mais velha. A Maria vai estudar um ano para os Estados Unidos da América e deixa para trás uma família muito ansiosa e um namorado que não aguenta nada bem a sua ausência! Um mundo de emoções e muita agitação aguarda-a nesta sua inesquecível experiência do outro lado do Atlântico. A Maria parte cheia de entusiasmo por ter uma nova escola, uma nova família e uma nova “irmã”. Contudo, a pouco e pouco, vai-se sentindo dividida entre dois mundos separados por um oceano. Será que aguenta o embate? A separação? As saudades? É tudo tão diferente! Por um lado, a novidade: os bailes, as festas, as aulas, os novos professores, os colegas, a família e, quem sabe, uma nova paixão… Por outro, aquela dor no coração que não a deixa esquecer o seu Portugal, a sua família, os seus amigos… E tudo piora com a aproximação do Natal! Como irá a Maria resolver este desafio tão complicado, quando tem apenas 17 anos?

 5 – "Mariana e Manuel, Gémeos em Sarilhos", em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2010 Oficina do Livro) PNL
Quem diria? Dois irmãos gémeos, mas completamente diferentes. A começar pelo facto de a Mariana ser uma rapariga e o Manuel um rapaz. Contudo, há mais diferenças: a Mariana salta de asneira em asneira, o Manuel de conhecimento em conhecimento. Viver perto deles é estar num mundo sempre em sobressalto! Como é que a Mariana vai resolver as encrencas em que se mete? E como é que Manuel aplica o que sabe no dia-a-dia? Será que a Mariana consegue melhorar e começar a portar-se bem? E será que o Manuel entende o que se passa naquele coração irrequieto, sempre cheio de boas intenções e más ideias? Não imaginam, não é verdade? Pois, vão ter de ler este livro e entrar no mundo dos gémeos. Afinal, eles são mesmo divertidos!

 6 – “Miguel Contra ataca”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2011 Oficina do Livro) PNL
Miguel, o rapaz mais velho dos 7 irmãos, está a braços como muitos problemas inesperados: a Inês aproxima-se sem razão aparente; a Rita está magoada com as suas atitudes e batotas; o Zeca, o amigo surfista, que ao apanhar a onda errada vai gerar uma outra onda gigante de solidariedade e inter-ajuda. E, como se não bastasse, o Miguel, agora no final do 11º ano, vê as notas a descerem e o estágio de futebol, no Porto, comprometido. Os pais não lhe facilitam a vida e os caminhos que escolhe parecem ser sempre os menos certos. No meio destas aventuras, que marcam o seu dia-a-dia, a Maria regressa, enfim, dos Estados Unidos, depois de um ano de ausência, e vem muito diferente!
Quase a entrar em férias grandes, o Miguel vê o seu principal sonho desmoronar-se… ou talvez não! Será isto suficiente para que perca o desafio e se deixe vencer pelas adversidades da vida? Ou será ele capaz de se lançar num poderoso contra-ataque?
Neste livro o Miguel muda, cresce, amadurece e … muito mais!

7 – "Mónica, uma montanha de emoções", em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2011Oficina do Livro)  PNL
A Mónica tem 15 anos e vai entrar para o 10 º ano. No entanto, aquelas férias grandes e o início do novo ano lectivo foram muito diferentes do habitual! Mónica, a maria-rapaz da família, teve pela frente um turbilhão de emoções a começar pela sua relação com o Filipe que sofreu um enorme abalo. Nem tudo é um mar tranquilo quando se cresce. Mas crescer é mesmo assim, saber resistir, enfrentar, decidir, levantar a cabeça e seguir em frente. Amparada por uma família muito unida e pelos amigos inseparáveis, será a Mónica capaz de lidar com tudo o que descobriu? Do acampamento de BTT, à estadia em casa dos avós; do Plano de Poupança Familiar, que os Machados vão por em prática; ao estágio numa clínica de veterinária; passando pela chegada do misterioso Hans, o rapaz alemão que vem para casa dos 7 irmãos por um ano inteiro – uma verdadeira montanha russa, que parece não ter fim, espera pela Mónica. Corajosa, amiga dos seus amigos e solidária, tudo isto não a impede de se sentir por vezes a rapariga mais infeliz do mundo! Será que tem razão?

 8 – “Mariana e Manuel, numa curva do caminho”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2011 Oficina do Livro) PNL
Chegados ao final do 1º período do sétimo ano, os gémeos estão imparáveis a magicar surpresas e partidas! A Mariana ganha um poderoso aliado: o Hans! O rapaz alemão que mal fala português, aterrou por um ano lectivo em casa da família Machado e, como «oitavo filho»,  alinha em tudo e consegue surpreender os «irmãos» e os colegas da escola com os seus dois talentos naturais: a música e a cumplicidade com os gémeos. A Mariana, como não podia deixar de ser, continua a ter as melhores intenções e as piores ideias; e o Manuel, que costuma ter tão boas ideias, não sabe pô-las em prática e fá-lo de forma tão atabalhoada que acaba por estragar tudo. Este é um livro em que os gémeos se põem à prova ou «às provas» porque há várias para disputar. Conseguirão vencê-las? Saberão escolher a «resposta certa»? E o amor? Será que prestam atenção a quem realmente gosta deles? Ou andam perdidos pelas curvas dos caminhos?

9 – “Margarida muda de escola”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2012 Oficina do Livro) PNL
A Margarida vai para o 5º ano numa nova escola e é lançada, de repente, num mundo de gente crescida, ou quase… Mas depressa vê ruir todas as expectativas: o recreio é grande de mais, os professores são muitos e deixam-na baralhada, não conhece praticamente ninguém. E o pior, para a 6ª filha da família Machado, vai ser a troça de que é alvo por parte de certos colegas. Ao longo do 1º período, a Margarida percebe que odeia a nova escola, e que a única hipótese que lhe resta é fugir, preparando uma embrulhada de tal forma tola, que nem ela própria sabe como resolver: zanga-se com a Laurinha, a sua melhor amiga de sempre, a Alice adoece, e desaparece-lhe o conteúdo inteiro do cacifo. Tudo acontece à pobre Margarida, que até tem o azar de, num dia especial, ver a sua cabeça habitada não só por pensamentos, mas por uma colónia inteira de piolhos que a obrigam a mudar de planos. No meio de um caso de detectives, a Margarida tem de aprender a viver com um feitiço desconhecido que de repente se vira contra o feiticeiro e a faz perceber o significado da palavra saudade.

10 – “Família Machado, uma equipa fantástica”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2012 Oficina do Livro) PNL
Como é ser-se mãe e pai de 7 filhos? Já pensaram? Comandar um barco com tantos passageiros de feitios, gostos e personalidades diferentes? Nem sempre o mar está calmo e a Teté e o Mateus enfrentam neste livro uma forte tempestade. Todos temos os nossos problemas, mas por vezes é preciso apagá-los um pouco, limar-lhes as arestas para que um problema maior não se instale e alastre por toda a casa. A verdade é que no meio da tempestade acende-se sempre um farol e, como a união faz a força, a família Machado consegue dobrar o cabo das tormentas e descobrir um mar tranquilo de cores  bonitas e suaves como os quadros  da Teté.
 O futuro casamento da Maria, a exposição de retratos, o programa de televisão baseado num trabalho que a Mónica fez para o jornal da escola, o plano genial da Mariana para o fim de semana de Carnaval, e ainda a vida conturbada do Rafael, um mini jogador de futebol treinado pelo Miguel, são tudo peças do mesmo puzzle. Vamos construi-lo página por página? Toca a ler!

11 – “E agora, Rafa?”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2012 Oficina do Livro) PNL
Tantas são as emoções no Rafa, como tantos são os irmãos Machado que nesta história o acompanham  na aventura difícil que tem pela frente. Aos onze anos, o mini craque de futebol perde o pai e tem de aprender a tornar-se o Homem da casa. Porém, a casa do Rafa torna-se numa casa triste, quando a tristeza era uma palavra que, até aí, não fizera parte do seu dicionário.
Como voltar a apagá-la das paredes, do coração e da vida? A resposta está na força incrível dos irmãos Machado, na escola, no futebol e na capacidade de algumas histórias que ouvimos nos fazerem voar por cima das coisas más.  É verdade que há sempre alguém especial e há sempre ideias especiais vindas de quem menos se espera… O Rafa vai descobrir por si próprio que, esse alguém e essas ideias, o farão sentir-se a pessoa mais importante do mundo. Como? Só mesmo provando a receita infalível de quem nunca desiste de surpreender tudo e todos à sua volta. Ou será que, desta vez, o feitiço se vira contra o feiticeiro, e as coincidências acontecem porque são, precisamente, apenas coincidências?

12 – “Sozinhos em Casa”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2013 Oficina do Livro) PNL
Dez dias sozinhos em casa! É verdade! Tão verdade como estares a ler esta frase. Imagina que os sete irmãos Machado, o Mister, um novo «inquilino» semipeixe e os amigos – que não param de entrar e sair – vão ter de sobreviver a dez dias sem pais e sem Alice.
 Preparar refeições, limpar o pó, lavar casas de banho, engomar, fazer compras… dividido por tantos, não parece grande coisa, ainda por cima em julho, quando já não há aulas e o tempo sobra por todos os lados… ou estica, porque, na rua dos Girassóis 17, «reino da barafunda», há sempre tempo para mais uma asneira! Será que a culpa é da Mariana, sempre pronta a atrapalhar? Ou da Madalena, que quer à força ser gente crescida? Ou até dos rapazes, que nunca souberam pôr a máquina da roupa a funcionar? Como é que a Maria, irmã mais velha, responsável e muito ajuizada, vai dar conta do recado, quando, nas vésperas dos seus 20 anos, nada, absolutamente nada, corre sobre rodas?
Queres um conselho? Antes de começares a ler, respira fundo três vezes… Não digas que não avisámos!

13 – “A Madalena e Eu”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2013 Oficina do Livro) PNL
Sabias que pode haver conchas com pernas no jardim? Ou és daqueles que gostas mesmo de uma sopinha de abóboras? Não me digas que tens medo de vampiros e que acreditas que vivem no bosque ao lado de tua casa? Pois é, mas se um dia te passar pela cabeça por champô dentro da mousse de chocolate ou ouvires as conversas secretas que se passam no quarto ao lado, não te esqueças de avisar o teu melhor amigo, por exemplo, o Mister! Vais ver como o Mister até se ajeita bem a jogar futebol, e que a Madalena faz milagres num lar de idosos. Achas que tudo isto é uma confusão? Tens razão!, é mesmo um livro nascido no reino da confusão! Aqui te deixamos doze histórias em que a Madalena leva ao limite da paciência, um por um, os doze desgraçados que… lhe deram troco!

14 – “Mónica e Mariana, Irmãs e Rivais”, em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2014 Oficina do Livro) PNL
Aproxima-se o Natal, tempo de paz, tempo de família, porém é precisamente no Natal que a Mónica e Mariana se zangam de verdade. O feitio tranquilo e alegre da Mónica não encaixa nada bem nas «marianices», por vezes seguidas…
Contudo, as «ideias geniais» da Mariana são tão imaginativas que nos põem a pensar: afinal o que fazemos nós para tornar o Natal da nossa terra e da nossa família mais bonito e solidário? E que tal se todos contribuíssemos com um pequeno gesto, um enfeite, um texto bonito num blogue, uma surpresa?
Se querem ficar a saber de que forma a Mariana «acendeu» uma GRANDE luz de Natal em Vale de Nabais; se querem conhecer o novo vizinho que tanta tempestade causou nos corações «quase geométricos» das duas irmãs, leiam esta GRANDE história! GRANDE sim, gigantesca! Mas nada que se compare à ideia da Mariana… Apostamos que a palavra «GRANDE» vos vais fazer abrir um GRANDE sorriso!!! Vamos a isso?

15 – Margarida em apuros em co-autoria com Maria João Lopo de Carvalho (2015 Oficina do Livro) PNL
A Margarida está mesmo em apuros, nem imaginam! Não só tem como amiga a miúda mais traquina da turma, a Matilde, como prepara uma grande partida, capaz de fazer parar a escola por umas horas. E com a ajuda da Mariana.
Mas as confusões não param aqui. O Miguel anda intrigado com as reações do seu colega de futebol, o Rui Pedro. E não é que o Rui Pedro, que se tinha comprometido a ajudar o Miguel na playlist para os anos do João Pedro, não aparece na festa?
Pois, é isso mesmo: mas que diabo se passa?!
Este livro vai deixar-te sem fôlego do princípio ao fim, está cheio de ratoeiras e segredos por desvendar. Se tens coragem para aguentar tanto mistério, anda daí – vamos mostrar-te como a amizade consegue coisas maravilhosas!


Publicações na área juvenil

“A cegonha quer… mas não manda!", para a Schering Lusitana em 2001– teatro
Esta é uma peça de teatro sobre a prevenção da gravidez na adolescência, mas é também muito mais! Que dizer de uma cegonha que quer, a qualquer custo, que a gravidez aconteça? E de uma manifestação de espermatozóides que resolve protestar? Querem saber…? Leiam!

“Será que tudo me acontece por acaso?” (2003 Editorial Presença) 
Nesta aventura, Luísa, a protagonista, está verdadeiramente incrédula com o que lhe tem vindo a acontecer. Eis que numa tranquila viagem de metro as luzes se apagam e a partir desse momento a sua vida nunca mais será a mesma. E ainda por cima a única pessoa que se importa com estes estranhos acontecimentos é Jorge, aquele rapaz da escola que nenhuma rapariga gostaria de conhecer. Afinal será que há alguma resposta para estes curiosos episódios ou tudo lhe acontece mesmo por acaso?

“O primeiro ano de uma escola fantástica” (2003 Editorial Presença) – 1ª edição
“O primeiro ano de uma escola fantástica” (2013 Editorial Presença) -reedição
O Colégio das Artes abria as suas portas pela primeira vez, para receber uma pequena multidão cheia de expectativas em relação a um projeto de ensino artístico nunca antes experimentado em Portugal. Foi assim que o Tiago, de Desenho, que andava desanimado, descobriu que afinal gostava era de Teatro. E a Teresa, de Música Clássica, descobriu que o jazz podia ser muito divertido e enriquecer os seus temas musicais. E, bem… aqui nesta escola todos descobriram coisas incríveis! Até os professores descobriram que podiam aprender com os alunos, e, assim, pouco a pouco, foram formando uma verdadeira comunidade.

“O segundo ano da nossa escola fantástica” (2004 Editorial Presença)
Reedição 2013 
Com O Segundo Ano da Nossa Escola Fantástica regressamos ao Colégio das Artes onde vamos encontrar, nesta comunidade de professores e alunos, algumas caras novas. Este ano têm de se preocupar com o sucesso do espectáculo final e com os apoios necessários para continuarem o seu trabalho. Conseguirão estar à altura das expectativas?

“O terceiro ano da nossa escola fantástica” (2005 Editorial Presença) 
Aposto que já estavas com saudades da malta do Colégio das Artes! Pois é, o terceiro e último ano promete ser ainda mais agitado que os anteriores. Se não acreditas, podemos dizer-te que há novos professores, novas disciplinas emocionantes e um projecto final que terá de ser defendido perante um júri. É verdade, os nervos vão andar à flor da pele. Mas como não só de aulas é feita a vida dos nossos protagonistas, podemos revelar que o Jorge vai ter de superar um momento muito difícil na sua vida, que a Marisa vai tomar uma atitude drástica em relação à sua mãe e que o amor vai andar no ar, tanto entre alunos como entre professores. Agora não te vamos contar mais pormenores! Se quiseres ficar a saber tudo começa já a ler O Terceiro Ano da Nossa Escola Fantástica.

“Temos mesmo de esperar até segunda-feira” (2006 Editorial Presença)
Parece que não resta outra alternativa ao 12º A: o temporal não lhes deixa outro remédio senão arrumar tudo e dar o acampamento por terminado um dia antes do que o previsto. No entanto, antes de partirem, Raquel, Nuno e Inês decidem imortalizar um pouco daquela experiência com uma fotografia em conjunto. Nãosabem eles que, de regresso, aquela inofensiva fotografia vai desencadear um mistério capaz de fazer os três protagonistas duvidarem de si próprios. Para não revelar demasiado, digo-te apenas que vão aparecer e desaparecer pessoas nos sítios mais impensáveis. Achas que esta última frase não faz sentido? Então desafio-te a embrenhares-te com os três amigos nesta história onde tudo parece ser possível.

 “O Nosso Clube de Teatro” (2008 Editorial Presença)
Há muito tempo que Zé Pedro sentia um grande fascínio pelo teatro e decide, com alguns amigos, formar uma mini-companhia. Todos estão completamente envolvidos nos preparativos – encontrar um local apropriado, fazer audições para arranjar mais actores, construir as personagens, escrever o texto, criar os cenários e o guarda-roupa, ensaiar, arranjar um nome para o grupo… e tudo isto em pleno ano lectivo, com imenso que estudar para os testes. Mas a verdade é que andam todos tão entusiasmados e motivados que até têm tido melhores notas a todas as disciplinas! Quando chega finalmente o grande dia da estreia o sucesso é retumbante, mas ainda os espera a maior de todas as surpresas…
(contém uma peça de teatro no final)

 “O livro misterioso” (2005 Editorial Presença) PNL 
Já alguma vez pensaste nos livros assim como uma espécie de dimensão paralela? Para te  provar que isto é real, aqui tens um livro dentro do qual poderás encontrar um outro livro. Este, que está dentro destas  páginas que talvez estejas agora a folhear, é mesmo muito especial como o André pôde comprovar assim que o encontrou naquele banco de jardim. Para ele, para a Joana e o Carlos (e até outras pessoas) foi a porta de entrada para um mundo estranho, onde aprenderam coisas importantíssimas, algumas das quais resultavam que nem verdadeira magia em qualquer mundo que fosse! Se aceitares o desafio, O Livro Misterioso levar-te-á a viver uma emocionante aventura cheia de suspense.

“Encruzilhada no tempo” (2006 Editorial Presença) PNL 
Mariana e João são dois jovens separados por uma distância de 105 anos que não poderiam ser mais diferentes. Mariana é muito tímida, enquanto João quer provar aos pais que tem maturidade para enfrentar buracos negros, entidades que se alimentam da energia vital dos seres humanos. No entanto, com frequência, ambos se encontram durante a noite num local misterioso que muda constantemente de aspecto e que lhes apresenta desafios variados… Como será isto possível? Que local será esse? Uma dimensão paralela? E que papel terá nesta história o livro da Princesa Valente? Embarca com os protagonistas nesta encruzilhada e descobre juntamente com eles o poder da amizade e da entreajuda, que ultrapassa todas as barreiras e nos faz ir mais longe do que alguma vez julgáramos possível.

“O Aprendiz de guerreiro – O Reino de Petzet” (2007 Editorial Presença, reedição 2013) PNL
Neste primeiro volume de uma série, assistimos ao desenrolar da acção no reino de Petzet, onde rapazes e raparigas são recrutados pelo chefe supremo para o campo de treino para realizarem a aprendizagem de combate. Guevin Cram não é excepção e assim que completa dezasseis anos também ele integra as forças militares. A população não percebe este procedimento de Oligum Prik, formando um movimento de resistência cujos membros se ocultam numas cavernas dos montes Petgib. Será que a resistência conseguirá derrotar o poder soberano? Uma história muito bem contada através de uma rica descrição das personagens que mantém o leitor numa tensão permanente até ao final.

“Um passo em frente – O Reino de Petzet” (2008 Editorial Presença, reedição 2013) PNL
Depois de, em O Aprendiz de Guerreiro, a Resistência ter sido obrigada a abandonar o seu esconderijo nas montanhas, agora Guevin, Míria, Nokrim, Karti e todos os outros companheiros têm de procurar novo refúgio, organizar novas estratégias e estabelecer novas alianças. Oligum Prik não desiste dos seus intentos e poderá causar graves consequências ao grupo. Conseguirá o Fluxo de Energia e a lealdade entre todos salvar Petzet das mãos do tirano? Um fantástico livro onde a aventura decorre repleta de emoções e momentos arrebatados.

“O combate final – O Reino de Petzet” (2008 Editorial Presença, reedição 2013) PNL 
Guevin e Nokrim descansavam no Campo de Treino enquanto preparavam a reconstrução do reino de Petzet Nokrim ainda ensonado sentiu de repente um chamamento. Lembrou-se da última batalha onde ele e Cália se defrontaram e onde esta baixou as armas e ficou a milímetros da sua espada. Por seu lado Tigre, enquanto chefe da Resistência tem a missão de manter o grupo unido mas carrega aos ombros um duro fardo que o deixa desesperado e inquieto. A sua mulher foi manipulada por Letifar e entrou num estado de transe, fora da realidade. Esta situação ensombra o chefe mas com o apoio do grupo sente-se novamente corajoso e capaz de enfrentar as forças inimigas. Na derradeira batalha, Tigre e o grupo planeiam uma estratégia infalível: atacar sob a forma de emboscada. Os soldados de Zosh Letifar são atraídos ao local através de ruídos de luta e quando lá chegam são rodeados por todos os lados, tornando impossível a defesa. Mesmo assim quem irá sair vencedor dos confrontos finais?

“Reconstruir as Lendas” (2009 Trinta por uma linha) 
Siri era uma mulher jovem e solitária. Vivia entre a realidade e as lendas sobre o Fluxo de Energia, que não sabia serem reais. Até conhecer os três sábios, que lhe ensinaram tudo o que sabiam sobre a Energia.
Após a morte da filha, numa terrível epidemia, o neto fica ao seu cuidado, mas Siri já perdera a esperança. Apenas quando descobre que aquele rapazinho de 2 anos já se movimenta livremente no Fluxo, lhe surge um novo desejo de recomeçar.
Com o neto já mais velho, Oligum Prik assume o governo de Petzet e começa um regime de ganância e sede de poder - uma terrível ditadura.
Aos olhos de Siri surge a possibilidade de acabar com o sofrimento. Daí nasce a Resistência, fraca e esquiva, que se expande com o apoio do povo e com a ajuda do Fluxo.
Guevin, ainda criança, brinca com a Energia sem o saber...

“Avançar na Sombra” (2010 Trinta por uma linha) 
Em Petzet, tudo parece cada vez mais complicado. A Resistência é alvo de várias investidas que a enfraquecem, mas nada a demove.
Aceitando vidas duplas difíceis, os nossos companheiros de Energia preparam em pequenos passos o fim da ditadura. Os laços que ligam todos tornam-se mais fortes e cada vez mais profundos, ditando o que se irá passar no futuro."

Na colecção Génios do Mundo (2008 Zero a Oito): Einstein, Beethoven, Marie Curie e Pasteur PNL
Estas biografias trazem-nos as histórias de grandes génios da Humanidade de uma forma diferente – elas encontram-se dentro de uma história de pessoas comuns, num entrançado que te vai deixar sem fôlego.

Na colecção Génios do Mundo (2009 Zero a Oito): Sócrates, Galileu, Shakespeare, Picasso PNL 
Estas biografias trazem-nos as histórias de grandes génios da Humanidade de uma forma diferente – elas encontram-se dentro de uma história de pessoas comuns, num entrançado que te vai deixar sem fôlego.

“Saber ao Certo”, design Francisca Torres, Estampa 2012
Que livro é este? Fala do momento em que se assume a homossexualidade, e de tudo muda a partir daí - o que se reforça e se enfraquece, o que fica turvo e o que se clarifica, fala da solidão e dos reencontros, das dúvidas e das certezas. Espero que ajude, jovens e adultos, a mergulhar neste tema e a entendê-lo.


“Jogging para escribas” (1998 Aula do Risco - Escrita Criativa, Editora Fenda), em parceria com Cláudia Novais, Luís Oliveira Martins, Paula Santos e Paulo Hasse Paixão

“Quero ser escritor” (2007 Oficina do Livro), em co-autoria com Elsa Serra PNL  
Um manual de escrita criativa para todas as idades!

“Escrita em dia” (2012 Clube do Autor), 
Um manual de escrita criativa em 40 semanas


“Uma pedra sobre o rio” – Prémio Revelação da APE/IPLB - 1996, Ficção (1999 Editora Difel, com reedição na Biblioteca Prestígio do Jornal Diário de Notícias) (ver reedição em 2010)

“Escrito a lápis” (2001 Editora Difel)
Um escritor bloqueado, um rapaz desenquadrado e… um livro para escrever, relações para consolidar.

 “O degrau de cima”, contos (2001 Editora Garrido) 
Dias de pessoas como nós, cheios de pensamentos, hesitações, alegrias e degraus que se sobem... um a um.

“Mais poste, menos poste”, conto inserido na colectânea “Margens – Outros de nós” da revista Cais (2004 Padrões Culturais Editora) (ver reedição em 2008)

 “Começar de novo”, romance (2008 Oficina do Livro)
Quatro pessoas, quatro maneiras de pensar, de sentir, quatro formas de encarar o amor, a paixão, o compromisso. Quatro formas de sentir a ruptura e o receio de voltar a sofrer. Quatro pessoas que se cruzam, se afastam e hesitam.

“O nº 11”, novela – Prémio Literário Manuel Teixeira Gomes (2008Ed. Colibri e C. M. de Portimão)
Um prédio onde os inquilinos acabam por se encontrar graças a uma situação pouco usual. Mas nenhum deles estava preparado para o que esse encontro iria fazer acontecer.

“Histórias para Contar Consigo”, em co-autoria com Rita Vilela (2008 Oficina do Livro) 
Este é um livro que nos leva a conhecermo-nos através de uma viagem à nossa forma de pensar. Sendo em forma de jogo, cada história termina com uma pergunta, que depois nos leva para outra história, num percurso que tranquiliza, faz reflectir, nos faz avançar com um sorriso nos lábios.

“Brincar com Coisas Sérias”, em co-autoria com Rita Vilela (2010 Oficina do Livro)
Depois de Histórias para Contar Consigo, aqui vem um novo desafio. Está com vontade de brincar com a sua história de vida? Este livro é para si!  

“Mais poste, menos poste”, reedição do conto publicado pela Cais (2008 Textos Extraordinários 22-36, Padrões Culturais) 
Uma noite de desespero, um poste, um acidente e um recomeço. A história de um momento em que o tempo pára para nos deixar recuperar o fôlego.

“Uma pedra sobre o rio”, reedição (2010  Oficina do Livro) 
Todos sentimos, um dia, que a nossa vida poderia ser melhor. Mas nem sempre conseguimos dar o primeiro passo em direcção à felicidade. Às vezes são as memórias que nos impedem de olhar para o outro lado do caminho, outras somos nós que fechamos as portas.

"De Nome, Esperança" (2011 Oficina do Livro)
São várias vozes, fios de muitas histórias ligados a um só nome: Esperança.
Mulher reservada e inteligente, Esperança é uma pessoa perdida entre o que escreve e o que vê da realidade, o que viveu e o que desejou.
Carlos é um enfermeiro estagiário de psiquiatria que decide, assim que a conhece, tudo fazer para resgatar Esperança rumo a uma vida normal, confrontando-se a cada passo com uma inquietação profunda: no coração da loucura, que espaço resta para a normalidade?
A resposta poder ser apenas que a mente é um lugar estranho. Entrar nos seus domínios é percorrer um labirinto interior de acesso, na melhor das hipóteses, restrito.
Num livro em que as várias vozes e os vários tempos se cruzam num emaranhado de expectativas, pensamentos e ilusões, acompanhamos o percurso da Esperança, para quem só existe esperança no nome.
Uma história que podia ser a de qualquer um de nós.

"Deixa-me Entrar na tua Vida" (2011 Clube do Autor)
Até onde se pode ajudar alguém? Ou será a partir de onde? Na obsessão das tentativas de resgate, pouco fica dos dias que entretanto passam.
Duas mulheres vivem separadas por paredes mas unidas pela perda, pelos laços familiares e por um hall comum. Não vivem – tentam viver, enquanto os seus mundos se multiplicam em repetições e soluções ambíguas.
Luísa não aceita a sua perda – a de alguém que não desapareceu, mas que se destrói dia após dia. Alda atravessa a vida envolta numa perda da qual não se consegue libertar, ou será que não quer arriscar perdê-la?
Duarte acompanha-as, de fora estando dentro, observando sem poder agir, espartilhado naquilo que pode vir a perder, também ele.
Esta é a história de três pessoas, três formas diferentes de lidar com a vida, três respostas – é uma história de avanços e retrocessos, esperanças e desilusões, onde se entrevê uma vida tingida pelo álcool. Esta é uma história de pessoas como todos nós.

"De Zero a Dez" (2014 Clube do Autor)
Leonor é uma mulher a braços com uma artrite reumatóide que, durante demasiado tempo, a deixa sem saber como agir, como trabalhar, como avançar para lá das dores, das expectativas enevoadas de futuro e dos receios que a assaltam. É através de um aconselhamento especial, dado por amigos, médicos, agentes de saúde, que reencontra uma vida a que pode chamar sua, onde a felicidade e o empenho no trabalho podem a ser uma realidade concreta, possível e enriquecedora, uma vida onde a dor deixa de ser o centro de cada minuto.
Este é um romance acerca da importância e do impacto da dor crónica, esse mal constante e invisível, que afecta tantas pessoas em todo o mundo, sujeitas à discriminação e à incompreensão. É sobretudo uma história inspiradora, onde se cruzam os caminhos que ajudam a viver melhor, ou seja, sobre as estratégias para lidar e conviver com a doença. É uma história com a esperança por dentro.


Publicações em Jornais e Revistas

A Vingança, Histórias da Música, Revista Arte Musical nº 14 , 1999 
– disponível para download aqui:http://www.margaridafs.net/contos/a_vinganca.pdf

Dois contos à procura de livro, Revista O Escritor, Dezembro de 2002 (nº 18/19/20) da Assoc. Portuguesa de Escritores, 2002 

Conversas, peça de teatro na Revista Cenas, Public. Cultural, nº7, 2006
– disponível para download aqui:http://www.margaridafs.net/contos/conversas.pdf

A Inquieta, (reedição de um conto do livro Histórias de Papel e Lápis) Revista Psicologia Actual - Nov/Dez, 2006 – disponível para download aqui:
http://www.margaridafs.net/contos/inquieta.pdf 

Todos os meses, publica contos no Suplemento de Educação, Jornal de Letras, desde Outubro de 2012

«Fazendo de conta que é Natal» (Natal de 2014, revista Somos Livros, Bertrand – disponível para download aqui)


Escrita na área do Teatro

Texto do espectáculo musical “Colher de Pauta”, dirigido por Madalena Wallenstein, posto em cena em Março/Abril de 1998 no Centro Cultural de Belém, no Festival dos 100 Dias, programação Infanto/Juvenil com reposição em Janeiro/Fevereiro de 1999 no ACARTE (Fundação Calouste Gulbenkian) 

“Ovos e vinagre”, “Sexta à noite” e “Cristo Rei”
 (1999, pequenas peças)

Peças de teatro infanto-juvenis “Falha de Cálculo”, “Problema? Qual Problema?!” (comemorações do Ano Mundial de Matemática), encomendado pelo Teatro da Trindade, 2000
“Hipotnozes”, encomendado pelo Teatro da Trindade – 2001
Escreveu a peça sobre Matemática para o Pré-Escolar “Desarrumar”, para o Teatro da Trindade, com encenação de Carlos António, 2004

Libreto da ópera “O Achamento” (comemorações da Descoberta do Brasil), projecto da Foco Musical, levada à cena em Abril Peça de teatro infantil, 2000

“Ao Encontro do Brasil” (comemorações da Descoberta do Brasil), para a turma 5º E da Escola EB 23 Delfim Santos (representação de final de ano pelos alunos da turma) Peça de teatro infantil, 2000

“A cegonha quer… mas não manda!", para a Schering Lusitana, 2001

Escreveu o texto do musical “O Navio dos Rebeldes”, para o Teatro da Trindade sobre a Crise Académica de 62, com encenação de Claudio Hochman, música de César Viana e letras de José Fanha, 2002

Escreveu as três histórias que deram origem ao espectáculo “Saco de Histórias”, para o Bicateatro, com encenação de Maria João Miguel, 2004

Escreveu o texto do musical “António, Bispo do Porto”, para o Teatro Seiva Trupe, com encenação de Júlio Cardoso e música de Carlos Azevedo, 2006

Escreveu o guião do espectáculo “A grande fantasia de Natal”, Museu das Crianças, apresentado no CCB e no Teatro da Trindade, 2006

Escreveu para o Teatro Nacional D. Maria II “A filha rebelde”, baseada no livro do mesmo nome de J. P. Castanheira e V. Cruz, com encenação de Helena Pimenta, tendo igualmente sido representada em Espanha, no Teatro de Madrid, e no Porto, no FITEI, 2007

Escreveu a adaptação de duas fábulas de La Fontaine, dando origem ao espectáculo “Quando os bichos se reúnem” (1ª versão) e “O reencontro dos bichos” (2ª versão), para o Bicateatro, 2007
“Street Garden”, (3ª versão), para o Bicateatro, 2009 

Escreveu para a Nós na Linha o texto da peça de teatro de animação “Casa Europa”, para o Instituto Jacques Delors, 2009 

Escreveu a peça “Matemática, para quê?!” para o Bicateatro, 2011, em cena

Escreveu a peça “Fantástica Matemática” para Carlos Martins da Fonseca, em cena no Museu das Crianças, 2010, em cena

Escreveu texto, música e letras do espectáculo musical “CantaStórias”, para a Genius y Meios, orquestrações de Francisco Cardoso

Escreveu texto, música e letras do espectáculo musical “O Segredo da Floresta”, para a Genius y Meios, orquestrações de Francisco Cardoso

Escreveu texto, música e letras do espectáculo musical “De Cor e Salteado”, para a Genius y Meios, orquestrações de Francisco Cardoso


Sitcom “À cautela”, para os IV Encontros de Teatro, Formação e Lazer do Teatro da Trindade, 2000

“Uma pedra sobre o rio” (2000, adaptação do romance com o mesmo título)


Adaptações

“Viagem interplanetária” (adaptação da peça “O homem que via passar as estrelas” de Luís Mourão), encomendado pela Companhia de Teatro de Aveiro (Efémero), 2000


Adaptação do conto “Quebra-Nozes” de E.T. Hoffmann para a versão concerto, para a Orquestra Metropolitana de Lisboa, 2005